Contas Externas: Definição

Na modalidade de balanço de pagamentos as contas externas representam pontos que não podem fechar em déficit. Caso aconteça o revés financeiro no final do ano por parte do poder público o país quebra, como acontece nos anos oitenta do século XX, conhecidos como a década perdida em termos econômicos por causa dos altos níveis de inflação.

Foi na mesma época que começou o modismo de aumentar os juros ao alto, frear o consumo da classe baixa e média e por consequência atrair maior investimento estrangeiro, o que na prática apenas faz rolar a dívida para frente visto que quem investe vai querer receber quando vender os títulos públicos. País necessidade de reservas cambiais para sanar a dívida externa.

Brasil tem a maior taxa Selic do mundo para não fechar as contas externas no vermelho. Por esse motivo que quem deseja ganhar dinheiro no mercado de ações de forma provável conquista lucro ao investir nos papéis Federais ao considerar a tendência da macroeconomia nacional. Transações correntes e contas financeiras são duas modalidades das contas externas.

Definição: Transações Correntes

Em termos práticos consiste no nível de fluxo que existe em termos de serviços e bens correntes no país. Quanto maior a taxa de arrecadação na balança comercial mais chances existem do poder público reservar dinheiro a pagar sem ter que aumentar os juros e prejudicar o ciclo da economia sustentável.

Transações de serviços entram em soma com a balança comercial no sentido de saber o valor aproximado das transações correntes. Ao levar em conta o comércio paralelo não existe definição oficial aos valores. Exemplos de serviços transacionados: Aluguel, viagens, seguros, entre outros. Não se pode ignorar o fato de que no modo corrente também entre a em consideração o fluxo de lucratividade inclusive dos empreendimentos internacionais. Existem empreendimentos estrangeiros que escondem as contas e por consequência o poder público realizar diversos tipos de fiscalizações.

Dentro das contas de transações o ato de encontrar os valores que se referem aos dividendos e lucros consiste em elemento fundamental. Interessante notar que em terras nacionais as movimentações correntes de forma frequente se encontram em déficits nas finanças. Há quem diga que o fato acontece por causa da relação que existe entre a poupança externa e a dívida. De forma história o Brasil representa país que não tem a cultura econômica de poupar e por consequência demanda do dinheiro internacional para conseguir satisfazer a demanda interna financeira.

Para escapar dos movimentos inflacionários nas alturas ou no sentido de não deixar a economia do país quebrar os gestores públicos não conseguem encontrar soluções para sanar de forma sustentável os gastos que existe do governo, no consumo e quitações de investimentos.

Como mundo globalizado o país não consegue encontrar formas alternativas de pagar as contas externas também por conta de problemas da concorrência ao levar em conta o grande número de empreendimentos multinacionais que se instalam em terras nacionais e retiram lucros consideráveis que seguem de forma direta aos países de origem nos quais se estabelecem as verdadeiras matrizes. Empresas nacionais não conseguem disputar no mercado com paridade.

Com o problema de emprego o país permite a instalação de empresas estrangeiras e privatiza. Porém, com a falta de preparo ao mercado de trabalho os estrangeiros contratam imigrantes e prejudicam a poupança nacional.

Em países emergentes que não possuem economia desenvolvida a modalidade das transações correntes tem importância fundamental ao levar em conta a carência de capital externo que fica realmente dentro das nações. Os poderes públicos precisam incentivar iniciativas para conquistar dinheiro estrangeiro e evitar crises cambiais que provocam o efeito dominó (queda no poder de consumo e aumento da inflação).

Definição: Conta Financeira

Por outro lado os países desenvolvidos além de terem empresas nacionais que arrecadam dentro e fora dos limites nacionais também consegue atrair capitais, desde o meio empresariado até o turismo. Nesse sentido aumenta a facilidade de poder pagar os reveses que existem nas transações correntes sem a necessidade de aumentar os juros nas alturas e frear o consumo interno. Ao levar em consideração a conta financeira existe a presença de capitais com renda fixa, embora sejam voláteis.

Câmbio recebe o reflexo equivalente à estrutura que existe nas contas correntes. As reservas que existe no erário público ao desconsiderar variações inerentes aos patrimônios de reservar consistem no resultado da soma entre conta financeira e transações correntes. Quando os gestores da administração pública percebem existir déficit no balanço de pagamento existe a necessidade de procurar refúgio nas reservas cambiais. Porém, quando o dinheiro estrangeiro está acabando existe a necessidade de ajustar o câmbio, fato que pode resultar no aumento sem controle dos preços, o que de forma popular se chama “inflação”.

Confiança Governamental: Contas Externas

Quadro fiscal representa ponto importante a se considerar no estudo das contas externas, conforme aponta grande parte dos especialistas na área de macroeconomia. Nos momentos de expansão em termos de fiscalização que esteja acima da verdadeira potência que existe na econômica pode existir o risco de vazamento às terras nacionais e por consequência aumenta as chances de acontecerem reveses financeiros nas transações correntes, de forma principal em consequência do crescimento em nível de importações. De fato, em modelos do gênero os empreendimentos possuem a tendência de obter maior lucro nos limites nacionais ao invés do mundo estrangeiro.

A credibilidade do país em fazer o pagamento aos investidores estrangeiros se relaciona de forma direta com as contas externas. Dentro da modalidade existe a dívida externa e os pagamentos de juros. Quando o país não tem credibilidade há fuga de capitais, prejudicando de forma direta a nação em termos de reservas cambiais e não restando dinheiro para pagar as contas no final, visto que a renumeração acontecia antes de fechar a temporada, quadro crítico sofrido no Brasil nos entre os anos oitenta e noventa do século XX. Por esse momento existia a necessidade de sempre ficar fazendo ajustes cambiais a atrasando a evolução da economia interna.

Tem algo a nos dizer sobre contas externas? Por favor, deixe o seu comentário.

Artigo Escrito por Renato Duarte Plantier

 

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Banco

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *