Como Acabar com as Dívidas?

No Brasil da atualidade, é muito fácil conquistar crédito. Porém, quem não consegue se controlar pode ter que pagar altas taxas de juros no final das contas. Dívidas, como as do cartão de crédito, simplesmente dobram o montante final quando pagadas em atraso. Necessário uma reeducação financeira em busca do sonho de estar com todos os déficits financeiros quitados.

Como Acabar com as Dívidas no Cartão de Crédito?

Os cartões de créditos podem ser ótimos no intuito para organizar as compras. Porém, não é vantajoso quando está nas mãos de pessoas consumistas sem controle. Especialistas apontam que o maior atrativo ao mesmo tempo corresponde na própria armadilha. As facilidades do cartão de crédito resultam na cobrança da maior taxa de juros cobradas, não somente no Brasil, como também em todo o mundo.

As dívidas ganham o famoso efeito bola de neve, isto é, uma fatura de três mil reais que o consumidor somente pode pagar mil reais, vai ser cobrada no próximo. Serão mais de mil reais adicionados em forma de juros. Porém, como a dívida está descontrolada, dificilmente vai existir economia para cobri-la. Mesmo com o pouco crédito restante, vai pode surgir um pequeno imprevisto que, somado as outras dívidas, forma bola gigante.

O uso do crédito rotativo oferecidos pelos bancos representa o principal perigo que o cidadão menos informado pode cometer. Existem pessoas que passam a vida inteira pagando parcelas altas, dinheiro que poderia ser investido em outras maneiras de investimento, caso da previdência privada, que junto com a social, permite com que os idosos tenham duas aposentadorias. A vida é curta, quem pensa no futuro deve ter apenas um plano em mente: Exterminar todos os déficits contraídos com bancos, principalmente entre os privados!

Para pagar o montante, é necessário solicitar empréstimos bancários, que cobram taxas altíssimas, podendo triplicar o valor da dívida dependendo dos juros cobrados pelos bancos. Lembrando que as instituições financeiras federais possuem as menores taxas. Não pense duas vezes! Procure o banco e faça algum acordo para parcelar os valores. Parcele no máximo possível para ter a certeza de que as parcelas serão quitadas no dia correspondente. 

É Interessante Pedir Empréstimos de Bancos Públicos e Pagar as Dívidas?

Sim. Por exemplo, o BB (Banco do Brasil) depositou trinta e cinco bilhões de reais no segundo trimestre de 2012 para conceder créditos aos clientes, cobrando juros mais baixos do que os cobrados pelos bancos privados. Mantega acredita que não deve faltar dinheiro público à estimulação ao consumo e capital de giro. Também informa que pretende abrir mão de desoneração fiscal equivalente a 1% do PIB brasileiro.

Apesar das expectativas anunciadas, os governantes ainda não entram em acordo sobre o futuro do IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados. De qualquer maneira, governantes esperam crescer quatro por cento nos quatro últimos meses do ano. A opinião federal está baseada na redução história da Selic promovida ainda na primeira metade de 2012, fato que pode desestimular o capital especulativo, gerando maior crescimento legítimo do capital nacional. 

O que Fazer nas Férias para Economizar e Acabar com as Dívidas?  

Simples, descanse e fique em casa. Já foi comprovado por diversos especialistas que o período de férias é o que traz gastos aos brasileiros ativos que gastam altas remessas de dinheiro em curto espaço de tempo com lazer. Os gastos das férias também são conhecidos por serem pesados quando realizados sem precaução.

Viagens internacionais pagas no parcelamento do cartão podem culminar em prejuízos adicionais por longos meses. Cada parcela traz cobranças com dólares cotados nos meses das cobranças e não na data da efetiva compra, ou seja, se o dólar aumentar, a despesa contraída também aumenta e ultrapassa os valores idealizados no planejamento feito antes da viagem. 

Como Organizar os Gastos e Pagas as Dívidas?

Quem organiza as finanças pessoais representa o primeiro passo para acabar com as dívidas. Sabendo o dinheiro que entra e sai de forma prévia, é possível saber de onde é feito o corte para sobrar mais dinheiro para pagar as dívidas.

Indispensável organizar os gastos e recebimentos mensais em planilhas que especificam, em detalhes, quais despesas são dispensáveis para economizar ao mês. Os gastos supérfluos podem representar boa parte das dívidas contraídas com as compras mensais.

Assim como acontece nas empresas, residências devem ter planejamento de gastos sobre os produtos que entram em casa. Esta lista deve ter os produtos que o consumidor realmente vai consumir, evitando compras adicionais que, em excesso, prejudicam bastante o orçamento.

A Segunda Hipoteca é Boa Opção para Acabar com Dívidas Hipotecárias?

Alguns especialistas indicam que a opção pode ser viável. A vida está cheia de incertezas. Em qualquer momento podem surgir os mais diversos imprevistos que colocam em cheque a saúde do orçamento. Nestes momentos é necessário solicitar um segundo empréstimo para sanar as dívidas e recomeçar educação financeira responsável. Pode ser concedido dinheiro para pagamento de dívidas, mensalidades, oportunidades de negócios, enfim, na atualidade, os bancos aceitam novos empréstimos para os mais variados destinos.

Quem está disposto a solicitar o serviço precisa ter em mente que se faz necessário ajustar o orçamento familiar. Caso aconteça a falta de pagamento de algum dos títulos, pode acontecer a execução hipotecária. Nestes casos, os compradores perdem não somente o dinheiro do investimento, como também o próprio bem imobiliário.

Existem alguns empresários que aproveitam as brechas da lei para decretarem falência, forma que descarrega a dívida referente da segunda hipoteca, permitindo assim que o cidadão fique em casa e reorganize com maior cuidado as dívidas contraídas. 

Nos termos da lei, a falência representa forma para eliminar a segunda hipoteca. A execução hipotecária é deixada de lado. Para sanar os ativos, o tribunal envia algum agente público à residência em questão para recolher bens com o valor da dívida. De certa forma, os empresários falidos ficam quase sem móveis dentro de casa, mas com nenhuma grande dívida remanescente.

Porém, os danos causados ao crédito das pessoas que declaram falência, somente recuperáveis após a pessoa física se livrar do processo da execução hipotecária. Durante as bancarrotas se pode fazer alguma proposta ao tribunal que analisa o nível de justiça entre os bens oferecidos e o valor da dívida.

Pessoas com segunda hipoteca precisam incluir o déficit dentro dos planos encaminhados ao tribunal via advogado. Caso os juízes aceitem o plano, acontece o descarregamento da segunda hipoteca que deve ser paga em maior prazo. 

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Pagamento

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *