Gestão Estratégica de Pessoas: Características Gerais

Gestão estratégica de pessoas analisa as principais iniciativas nas tomadas por alta administração da empresa em nome dos proprietários, envolvendo recursos e desempenho em ambientes externos. Implica em especificar e divulgar a missão, visão e os objetivos. Desenvolve políticas e planos em termos de projetos e programas projetados para atingir objetivos.

Deve existir a alocação de recursos para implantar políticas, planos, projetos e programas. Dados são usados para avaliar o desempenho geral do negócio e o progresso em direção aos objetivos. Estudos recentes e os principais teóricos da administração defendem que a estratégia precisa começar com as expectativas das partes interessadas.

Visão Geral da Gestão Estratégica de Pessoas

A gestão estratégica é nível de atividade gerencial abaixo da definição de objetivos e acima das táticas. Fornece orientação geral para a empresa e está relacionada com o campo de estudos organizacionais. No campo da administração de empresas é útil para falar sobre “consistência estratégica” entre a organização e o ambiente.

Há consistência estratégica quando as ações da organização são consistentes com as expectativas da administração. A gestão da estratégia consiste no processo contínuo que avalia e controla os negócios e as indústrias em que a empresa está envolvida. Avalia os concorrentes e define as metas e estratégias para estar à frente dos concorrentes.

Reavalia estratégia anual ou trimestral para determinar como foi implantada e se a empresa precisa adotar nova estratégia para atender às novas circunstâncias, tecnologias, novos concorrentes e ambiente econômico.

Gestão estratégica também pode ser definida como a identificação da finalidade da organização e os planos e ações para alcançar o objetivo. Conjunto de decisões e as ações gerenciais determinam o desempenho de longo prazo da empresa. Envolve a formulação e implantação de estratégias que ajudam no alinhamento da organização e ambiente para atingir os objetivos organizacionais. 

Conceitos e Abordagens de Gestão Estratégica

Gestão estratégica pode depender do tamanho da organização e a propensão para mudar o ambiente de negócios. A organização global / transnacional pode empregar modelo de gestão estratégica estruturada por causa do tamanho, o escopo das operações e a necessidade de abranger pontos de vista e necessidades das partes interessadas.

Formação da Estratégia: Escola Clássica

A tarefa inicial em gestão estratégica está na compilação e divulgação da visão e da missão. Uma varredura ambiental vai destacar todos os aspectos pertinentes que afetam a organização, seja externa ou por setor. Tal ocorrência também revela áreas a capitalizar para além de zonas em que a expansão pode ser imprudente.

Depois de identificadas as opções devem ser analisadas e selecionadas por organização especializada. Além de determinar a adequação, viabilidade e aceitabilidade das ideias, necessário seguir a análise com cuidado do início ao fim. 

Base da Competição

Empresas derivam de vantagem competitiva da organização inclusive na forma de produzir os produtos, como ela age dentro da relação de mercado aos concorrentes, ou outros aspectos do negócio. Abordagens específicas podem incluir:

01-Diferenciação em que os produtos competem, oferecendo combinação única de características;

02-Custo em que os produtos competem para oferecer uma lista aceitável de recursos ao menor gasto possível;

03-Segmentação em que os produtos são feitos sob a medida para as necessidades específicas do mercado específico.

Avaliação da Estratégia de Pessoas e Adequação

01- Qual a adequação da estratégia para abordar a missão de modo específico?

02- Qual viabilidade existe para trabalhar?

03- Existe aceitabilidade aos interessados ao aceitar a estratégia?

04- Estratégia aborda a missão?

05- Ela reflete as capacidades da organização?

06- Será que faz sentido econômico?

Viabilidade da Estratégia

Preocupada com o fato de que a organização tenha os recursos necessários para implantar a estratégia. Recursos incluem o capital, pessoas, tempo, acesso ao mercado e especialização. Exemplos de ferramentas de avaliação são: Fluxo de caixa e previsão da análise, observação do plano de recursos e linha com previsão de demanda. 

Aceitação da Estratégia

Preocupação com as expectativas das partes interessadas identificadas (acionistas, funcionários e clientes), com os resultados financeiros e não financeiros esperados. Lida com os benefícios das partes interessadas.

Há ofertas de risco com a probabilidade e consequências do fracasso. Os funcionários são propensos às preocupações com questões não financeiras, casos das condições de trabalho e terceirização, por exemplo. Além disso, o meio exato de implantar a estratégia precisa ser considerado, analisando os seguintes pontos:

A. Alianças com outras empresas para preencher capacidade tecnológica e as lacunas legais;

B. Investimento em desenvolvimento interno;

C. Fusões / aquisições de produtos ou empresas para reduzir o tempo de mercado. Por exemplo, países como a Índia e a China necessitam de operadores no mercado a operar através de parcerias com empreendimentos locais.

D. Organização e recursos ao empregar processos de gestão de mudança. A estratégia pode exigir mudanças organizacionais, tais como a criação de novas unidades, fundindo às existentes ou mesmo à mudança de estrutura geográfica.

Mudança de Gestão: Implantação de estratégia pode ter efeitos que se propagam através da organização. Minimizar a interrupção reduz custos e poupa tempo. A abordagem traz nomeação de pessoa física para defender as mudanças. 

Limitações da Gestão Estratégica

Em 2000, Gary Hamel cunhou o termo de convergência estratégica para explicar o alcance limitado das estratégias utilizadas por rivais diferentes. Ele lamentou as estratégias bem-sucedidas não imitadas por empresas por causa da crença de estrutura diferente nos meios de produções.

No mundo em que as estratégias devem ser implantadas os três elementos são interdependentes. Os objetivos que uma organização pode querer perseguir são limitados pela variedade de abordagens possíveis à implantação. Por sua vez, o intervalo de aplicação de temas viáveis determina a disponibilidade dos recursos.

Outra crítica da gestão estratégica é que pode restringir o critério gerencial em ambiente dinâmico. Indivíduos, organizações e sociedades lideram melhor as questões complexas, levando em conta as ações iniciadas com base na compreensão adequada.

Alguns teóricos insistem em abordagem iterativa considerando os objetivos, implantação e recursos. Ou seja, ciclo de aprendizagem repetitiva tem progressão linear em direção ao destino final definido de modo claro e objetivo. A estratégia deve ser capaz de ensinar aos seres humanos prosseguirem de forma satisfatória nas relações de trabalho.

Artigo Escrito por Renato Duarte Plantier

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Medidas

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *