Economia Verde no Brasil: Projetos UNEP

A Unidade de Comércio, Política e Planejamento da UNEP busca identificar oportunidades no cruzamento da economia verde e do comércio. A instituição aponta que a reverter o declínio global da biodiversidade, reduzir a liberação de gases de efeito estufa, deter a degradação dos ecossistemas terrestres e proteger os nossos oceanos, o comércio internacional deve se tornar sustentável e responsável. Além disso, para ter sucesso na erradicação da pobreza se faz necessário de garantir que o comércio beneficie os pobres.

Durante o encontro Rio Mais Vinte, os líderes mundiais reafirmaram o papel do comércio internacional como um “motor de desenvolvimento e crescimento econômico sustentado”. Embora consciente das preocupações dos países em desenvolvimento, o debate se relacionou com o comércio para iniciar a mudança de foco dos riscos do uso de políticas de economia verde para fins protecionistas, às oportunidades que a transição a apresentar à melhoria econômica e desenvolvimento social por meio do comércio sustentável.

Os países que se desenvolvem são em particular suscetíveis de beneficiar da ampliação do comércio sustentável, o aproveitamento de novas oportunidades comerciais, incluindo, por exemplo, a exportação de matérias-primas certificadas no setor das pescas, florestas ou setores da agricultura, o aumento dos investimentos na produção sustentável e cadeias de fornecimento, ou a expansão do ecoturismo. UNEP enfrenta o desafio de fazer o trabalho do comércio ao identificar as oportunidades que surgem a partir da transição para economias verdes e ajudam os países ao aproveitar o potencial de comércio.

Três Objetivos

A organização realizou o relatório Economia Verde e Comércio, cujos objetivos são: (1) Identificar uma gama de oportunidades de comércio internacional em vários setores-chave da economia associados à transição para uma economia verde. (2) Identificação as políticas e medidas que podem atuar como facilitadores e superar obstáculos para aproveitar as oportunidades comerciais decorrentes da transição para a economia verde. (3) Ajudar os governos, o setor privado e outras partes interessadas para desenvolver a capacidade de aproveitar as oportunidades comerciais sustentáveis, a nível nacional, regional ou internacional.

O Diálogo Nacional e os Stakeholders!

Brasil é rico em biodiversidade e serviços do ecossistema. Possui enormes reservas de água. Por causa dos recursos naturais e clima temperado combinados com uma população relativamente pequena com relação ao tamanho geográfico, a capacidade biológica brasileira traz chances consideráveis para superar a pegada ecológica.

Especialistas em desconexão entre as políticas se esforçam para lidar com os desafios ambientais, sociais e aqueles que promovem o desenvolvimento econômico. Os participantes defenderam a aceleração da transição para a economia verde e inclusiva, que reduz a desigualdade social e utiliza instrumentos econômicos para maior cuidado com o meio ambiente e promove alternativas ao consumismo e à sociedade de consumo, entre as prioridades de ação. Há um reconhecimento crescente de que a atual economia mundial é insustentável, por isso a necessidade de uma economia que promove um ambiente sustentável. Esse por sua vez levou a subir na promoção da “economia verde”.

Economia Verde no Brasil e Sistema BRT

O Brasil tem taxa de crescimento urbano anual de 1,8 por cento entre 2005 e 2010. Curitiba, capital do Paraná e a oitava maior cidade do país, abordou com sucesso o desafio com o planejamento urbano integrado que começou com o Plano Diretor. Esse plano estabeleceu o famoso sistema BRT.

A popularidade do Sistema BRT resultou da transferência do automóvel para viajar de ônibus de viagem. No entanto, isso não significa que a cidade favorece de modo automático o transporte público sobre o privado, uma vez que apenas serve para mostrar como a cidade está planejada. O Sistema Rodoviário não apenas permite o acesso rápido aos centros urbanos para motoristas, mas também se dedica às faixas de BRT, garantindo assim a comutação rápida, não importa o meio de transporte que se usa no processo.

Outras políticas também contribuíram para o sucesso do sistema de trânsito. Terra dentro de dois blocos das artérias de trânsito é dividida em alta densidade, uma vez que gera mais dados por metro quadrado. A rede de transporte se planeja na cidade com benefícios. Em primeiro lugar, proporciona às pessoas o sistema de transporte público eficiente e por outro lado mantém o ambiente em cheque, visto que incentiva as pessoas a usar o transporte público. Em virtude do cenário atual, no qual as nações enfrentam o problema da mudança climática, conjuntos de modelos e estudos de instituições reconhecidas em nível nacional e internacional podem incentivar a prática sustentável no país.

Série de outros programas se revela com sucesso para quem vive na cidade. As ruas pedestres são as áreas da cidade que estão fechadas aos automóveis. Há programa incentiva as pessoas a separar resíduos recicláveis e não recicláveis. Uma a três vezes por semana os caminhões coletam papel, papelão, metal, plástico e vidro, que foram ordenados por famílias. Essa reciclagem economiza o equivalente a 1.200 árvores por dia, e parques locais contêm exposições do número de árvores salvas. O dinheiro aumentou a venda de materiais recicláveis e apoia programas sociais, a cidade, os sem-teto e pessoas em programas de reabilitação de álcool na usina de separação de lixo.

Programa Câmbio Verde em Curitiba

O Programa Câmbio Verde é realizado em favelas de difícil acesso para veículos de coleta de lixo. Para incentivar os moradores pobres e periferias para limpar as áreas e melhorar a saúde pública, a cidade passou a oferecer passagens de ônibus e legumes para as pessoas que trouxeram o lixo para centros de bairro. Além disso, as crianças puderam trocar recicláveis por material escolar, brinquedos, entre outros. As iniciativas permitem à cidade evitar futuros custos ambientais e, ao mesmo tempo, levar a um aumento na qualidade de vida dos cidadãos e um futuro sustentável. Não é de admirar que a cidade seja conhecida como a “capital ecológica do Brasil”.

O impacto negativo do aquecimento global resultou em consequências danosas para o futuro do planeta. Diante de um cenário de conflito e incerteza, mudanças na gestão das questões energéticas são importantes. As energias renováveis, em especial biocombustíveis, surgiram como alternativas para alcançar o desenvolvimento sustentável.


Artigo Escrito por Renato Duarte Plantier

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Medidas

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *