Corretoras no Dealing Desk

Uma das principais dúvidas  que se manifestam quando se inicia a operação no Forex é a da diferença entre as corretoras, mas antes de sanar essas dúvidas, é importante entender como o mercado funciona.

Para realizar a compra de algum item é necessário que um outro indivíduo esteja interessado na venda – e o contrário também é valido. – E essa regra vale para todo tipo de bem de um mercado financeiro, então em resumo, alguém deve assumir o outro lado de qualquer operação.

No mercado Forex, essa parte que citamos como “o outro lado” pode ter como responsável vários tipos de agentes, entre eles sua própria corretora, os traders de sua corretora – que são aqueles indivíduos engajados no mercado financeiro e na transferência dos ativos para alguma instituição ou para si mesmo – ou ainda outras corretoras e até mesmo bancos de grande porte. Então, é exatamente a forma que você está operando que determina o estilo da corretora que você está operando.

Essas corretoras de Forex são separadas em dois grupos: aquelas que possuem dealing desks e as que não possuem. As dealing desks são as mesas de negociação ou mesas de operações, e o termo referencia-se as trading desks dos grandes bancos, que em geral são os responsáveis por permitir o bom fluxo no mercado das moedas.

As pessoas que ficam responsáveis por operar essas mesas são chamadas de dealer e uma boa metáfora que pode ser feito com esses dealers, é que  em um jogo de cartas, eles seriam aqueles que as distribuem. Então, quem opera essas mesas de negociações deve distribuir as ordens das compras e vendas da melhor e mais adequada forma possível.

Corretoras com Dealing Desks

O principal papel de uma corretora é repassar informações e dar as seus clientes acesso a mercados existentes, porém isso não ocorre com todas as corretoras Forex. Algumas delas acabam não passando essas operações, assumindo assim o papel de dealers.

Por esse motivo essas corretoras são chamadas de Market Makers, que em português quer dizer “Criadora de mercados”, ou seja, essas são as corretoras com dealing desks.

Nesse caso, ao invés de levar as operações para o mercado, transmitindo para alguém que queira vender o que você deseja comprar, esse tipo de corretora assume a criação de um mercado, se posicionando contra os seus próprios clientes traders nas operações que são iniciadas.

Uma crítica muito recorrente nesse modelo de corretora, é o fato de que ela desenvolve um severo conflito de interesses entre ela e seus clientes, já que mesmo quando eles perdem, ela ainda ganha, assim tornando comum a prática de detectar possíveis clientes ganhadores e separá-los dos perdedores.

Corretoras no Dealing Desks

Essas são as corretoras que operam sem a mesa de operações, e dentro desse grupo, existem alguns outros sub-grupos que serão apresentados abaixo.

– Straight through processing (STP)

Essas corretoras, que em português significam “processamento direto” acabam tomando o outro lado da operação de seus clientes, porém enviam de um modo quase automático essas operações. Ela oferece normalmente acesso real aos mercados, e possui uma baixa chance de conflito de interesses.

– STP + Direct Market Access (STP+DMA)

Nesse modelo, a corretora dispõe as ordens de seus clientes para os provedores de liquidez – que geralmente são os bancos – e permitem a possibilidade de preenchimento de acordo com o melhor preço disponível.

Essas operações são feitas através da execução do mercado que garante que tudo ocorra dentro do melhor preço possível. Ela sempre oferece valores reais e não existem re-quotes, que são quando as ordens são abertas com um preço diferente do que se vê.

STP + Direct Market Access (STP+DMA)

STP + Direct Market Access (STP+DMA)

– Eletronic Communications Network  (ECN)

A tradução é “Redes eletrônicas de comunicação” que é o tipo de tecnologia usada em corretoras nesse estilo. Elas são basicamente uma rede que reúne vários provedores de liquides e vários traders.

Nesse modelo de corretoras são coletadas inúmeras ordens de um número gigantesco de participantes, desse modo formando uma espécie de “aquário” onde as ordens podem ser executadas.

As transações podem ocorrer por meio de uma seleção automática das ordens mais relevantes, onde os parâmetros que são considerados são o preço da oferta e da demanda, e o volume da ordem.

O ECN é basicamente um modelo mais avançado do tipo DMA, e a diferença mais relevante está no número de provedores de liquidez .

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Investimento

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *